Aplicativo de prova de vida aprimora proteção de dados com LGPD

Ferramenta teve um upgrade na segurança com as normatizações da Lei Geral de Proteção de Dados. Isso significa que, antes da LGPD entrar em vigor, o LivID já seguia normas de segurança para os dados coletados, o que ainda evoluiu e foi oficializado com a lei

Por: Redação, ⌚ 19/05/2022 às 18h09 - Atualizado em 19/05/2022 às 18h09

Os pensionistas da Previdência costumam ser alvo de golpes constantes e, na realidade, num mundo cada vez mais conectado, o público da terceira idade fica vulnerável a riscos. Pensando nisso, o LivID, aplicativo que realiza Prova de Vida, Recadastramento Digital e Consulta de Óbito da Gateware, atende mais de 96 mil pessoas, uma série de Fundações Previdenciárias e Fundos de Pensão, não só protege essa população, como respeita a sua privacidade.

 

A solução teve um upgrade na segurança com as normatizações da Lei Geral de Proteção de Dados. Isso significa que, antes de a LGPD entrar em vigor, o LivID já seguia normas de segurança para os dados coletados, o que ainda evoluiu e foi oficializado com a lei.

 

“O principal ponto que implementamos com a LGPD foi a transparência com os usuários ao disponibilizarmos o app conforme as orientações das lojas de aplicativos Play Store e App Store. As lojas são muito exigentes com a segurança e a LGPD veio confirmar aquilo que cumprimos em antecipação”, explica o desenvolvedor da Gateware Lucas Kindinger, um dos responsáveis pela programação do LivID.

 

A adaptação do LivID à LGPD foi acionada na redação dos termos de uso e de privacidade de acordo com as bases legais que orientam a coleta de informações, como nome, documentos, fotos e localização – dados de cadastro do usuário no app.

 

“O termo de uso diz respeito a informações que trazem as obrigatoriedades em relação ao app e qual a Fundação de Previdência que está sendo atendida, de forma que se saibam quais são os respaldos do usuário. Também utilizamos a infraestrutura disponibilizada pelos serviços do Google (servidores e bancos de dados) contra ataques e em sistemas antifraudes, e criamos as nossas próprias regras de validação e proteção de dados, além das que o Google oferece”, diz.

 

Como o app utiliza a foto do usuário para leitura e comprovação da face, por meio da validação com inteligência artificial, é importante que se saiba como essas informações estão guardadas. “Temos um controle de acesso restrito para que o app funcione de forma correta dentro de todas as suas capacidades.”

 

Em resumo, a segurança é a base dos procedimentos de Prova de Vida do aplicativo e a transparência fica assegurada com o usuário sabendo que as suas informações não serão utilizadas para outros fins.

 

Evitar o vazamento de dados é outro incremento que a LGPD ajudou a implementar, o que aumenta a credibilidade das próprias fundações previdenciárias que contam com o LivID. “A segurança dos dados hoje atinge as empresas de forma positiva ou negativa. Se há um vazamento, a empresa fica com a imagem arranhada e, além disso, pode ir à falência com as sanções e multas impostas pela lei. Por isso, não damos margem para brechas no nosso sistema”, conta.

 

/ VEJA TAMBÉM



/ COMENTÁRIOS