Ransomware segue gerando caos na indústria e JBS se pronuncia sobre ciberataque

Incidente impactou a produção e a distribuição de carnes na América do Norte e Austrália. Em comunicado, a maior processadora de carnes do mundo informa que sistemas estão voltando à normalidade nesta quarta-feira

Por: Redação, ⌚ 02/06/2021 às 16h01 - Atualizado em 04/06/2021 às 18h41

A indústria da carne é a nova vítima do caos instaurado pelos ataques do tipo ransomware. A JBS disse ao governo dos EUA que sofreu um ataque cibernético, incidente que interrompeu a produção de carne na América do Norte e na Austrália.

 

Assim como na violação da Colonial Pipeline, o grupo hacker que afetou a JBS provavelmente está baseado na Rússia. “A Casa Branca está se envolvendo diretamente com o governo russo neste assunto e transmitindo a mensagem de que os estados responsáveis ​​não abrigam criminosos de ransomware”, disse a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre.

 

No caso da Colonial Pipeline, em que a produção de petróleo dos EUA foi severamente prejudicada, a companhia pagou um resgate de US$ 4,4 milhões ao grupo criminoso com sede na Rússia em um esforço para desbloquear seus sistemas e dados. Governos, especialistas e indústria de tecnologia recomendam que as empresas não paguem resgate aos cibercriminosos em caso de ransomware.

 

Em comunicado, a JBS informou que na noite de terça-feira (01) fez “um progresso significativo na resolução do ataque cibernético”. “Os sistemas estão voltando a funcionar e a JBS USA não está poupando recursos para combater esta ameaça. Dado o progresso que profissionais de TI e equipes de fábrica fizeram nas últimas 24 horas, a grande maioria de nossas unidades de carne bovina, suína, de aves e alimentos preparados estará operacional amanhã (02)”, diz a nota.

 

A JBS disse que suspendeu todos os sistemas afetados, notificou as autoridades e que os servidores de backup não foram afetados. Um representante em São Paulo disse que não houve impacto nas operações brasileiras. “A empresa não tem conhecimento de nenhuma evidência neste momento de que dados de clientes, fornecedores ou funcionários tenham sido comprometidos ou utilizados indevidamente como resultado da situação”, diz posicionamento oficial publicado na segunda-feira (31).

 

Impacto na produção

 

O ransomware segue evoluindo para uma questão urgente de segurança nacional e vem dando indícios do caos que pode causar contra o setor industrial. Também está gerando novos apelos para que governos estabeleçam proteções mais rigorosas de segurança cibernética em setores vitais da economia.

 

A JBS suspendeu o abate de gado em todas as suas fábricas nos EUA na terça-feira, de acordo com representantes do sindicato. Na segunda-feira, o ataque interrompeu as operações australianas.

 

As paralisações em andamento das fábricas da JBS ameaçariam aumentar ainda mais os preços da carne para os consumidores americanos, além de interromper as exportações de carne em um momento de forte demanda da China.

 

A interrupção teve um impacto rápido na terça-feira, disseram analistas do setor. Os frigoríficos americanos abateram 22% menos gado do que na semana anterior e 18% do ano anterior, de acordo com estimativas do Departamento de Agricultura dos EUA. O processamento de carne suína também caiu.

 

A agência também pediu aos frigoríficos que tornem sua infraestrutura de TI e cadeia de suprimentos mais durável. Enquanto isso, agências federais estão monitorando de perto os suprimentos de carnes e aves, disse um funcionário da Casa Branca. As agências também estão trabalhando com processadores agrícolas para garantir que nenhuma manipulação de preços ocorra como resultado do ataque cibernético, disse o funcionário.

 

“A JBS USA e a Pilgrim’s são uma parte crítica da cadeia de abastecimento de alimentos e reconhecemos a nossa responsabilidade com nossos colaboradores, fornecedores e consumidores de retomar as operações o mais rapidamente possível”, comenta André Nogueira, CEO da JBS USA.

 

A Security Report disponibiliza na íntegra o posicionamento oficial da JBS sobre o incidente:

 

“A JBS S.A. (“JBS” – B3: JBSS3; OTCQX: JBSAY) em atendimento ao Ofício-Circular no 7/2020 – CVM/SEP de 26 de agosto de 2020, comunica aos seus acionistas e ao mercado em geral que foi informada pela JBS USA e pela Pilgrim’s que as companhias tiveram avanços significativos na solução do ataque cibernético que impactou as operações da empresa na América do Norte e na Austrália. As operações do México e do Reino Unido não foram impactadas e estão funcionando normalmente.

 

Hoje, JBS USA e a Pilgrim’s conseguiram enviar produtos para clientes a partir de quase todas as suas unidades. A empresa também continua a progredir na retomada das operações das fábricas nos EUA e na Austrália. Várias fábricas de suínos e aves da empresa operaram hoje e suas instalações de carne bovina no Canadá retomaram a produção.

 

Os sistemas estão voltando a funcionar e a JBS USA não está poupando recursos para combater esta ameaça. Dado o progresso que profissionais de TI e equipes de fábrica fizeram nas últimas 24 horas, a grande maioria de nossas unidades de carne bovina, suína, de aves e alimentos preparados estará operacional amanhã.

 

“A JBS USA e a Pilgrim’s são uma parte crítica da cadeia de abastecimento de alimentos e reconhecemos a nossa responsabilidade com nossos colaboradores, fornecedores e consumidores de retomar as operações o mais rapidamente possível”, disse André Nogueira, CEO da JBS USA.

 

A JBS USA tem recebido forte apoio dos governos dos EUA, Austrália e Canadá, realizando conferências diárias com autoridades num esforço para garantir o fornecimento de alimentos.

 

A empresa não tem conhecimento de nenhuma evidência neste momento de que quaisquer dados de clientes, fornecedores ou funcionários tenham sido comprometidos”.

 

*Com informações da Agência Reuters 

/ VEJA TAMBÉM



/ COMENTÁRIOS