Ciberataques disparam no Brasil com a pandemia: Como se defender?

No GS Entrevista desta semana, José Mariano Araújo Filho, Delegado da Policia Civil de São Paulo, e Ricardo Capozzi, Perito Forense Computacional na Inforac Labs Pericial, destacam os principais ataques cibernéticos da atualidade e melhores práticas de proteção

Por: Redação, ⌚ 04/08/2020 às 18h19 - Atualizado em 05/08/2020 às 18h31

Não é novidade que o crime cibernético vem avançando exponencialmente em todo mundo. Desde o maior ataque de ransomware da história, o WannaCry, em maio de 2017, os ciberataques se espalharam como um incêndio afetando indiscriminadamente pessoas e empresas.

 

Esse avanço de investidas maliciosas ganhou manchetes nos principais jornais em todo mundo e entrou na pauta do Fórum Econômico Mundial 2020, estimando que os crimes cibernéticos representarão uma perda na ordem de US$ 3 trilhões. Outro estudo global da IBM mostrou que o impacto financeiro das violações de dados custa, na média global, US$ 3,8 milhões para as companhias. No Brasil, o custo médio da violação de dados é de R$ 5,88 milhões (cerca de US$1,12 milhão).

 

Para entender esse cenário, a TVD convidou dois especialistas em crimes cibernéticos que destacaram investidas criminosas que afetam tanto usuários finais quando empresas. Comandado pela jornalista e diretora da Security Report, Graça Sermoud, o GS Entrevista recebeu José Mariano Araújo Filho, Delegado da Policia Civil de São Paulo, e Ricardo Capozzi, Perito Forense Computacional na Inforac Labs Pericial.

 

A entrevista, que está disponível na íntegra no canal do Youtube da TVD, levantou os pontos mais polêmicos dos ciberataques, os desafios de detecção e resposta, além de boas práticas, como cidadãos e instituições podem lutar contra violações.

 



Newsletter

Alex Amorim
Rangel Rodrigues
Rangel Rodrigues
Graça Sermoud

/ VEJA TAMBÉM



/ COMENTÁRIOS