Bradesco desenvolve mapeamento de ameaças globais com inteligência cognitiva

Em entrevista à Security Report, Waldemar Ruggiero Júnior, Diretor Departamental do Banco, fala sobre case inspirador, projeto vencedor Bronze no Prêmio Security Leaders em 2019, que surgiu com a necessidade de agilizar e automatizar a identificação de vulnerabilidades

Por: Léia Machado e Bruno Silva, ⌚ 11/05/2020 às 18h45 - Atualizado em 13/05/2020 às 17h52

O Banco Bradesco é um dos principais cases de sucesso da plataforma de computação cognitiva Watson, da IBM, e há anos vem colhendo diversos frutos do uso inteligente da tecnologia. Um dos projetos diz respeito ao mapeamento de ameaças globais, que precisava de uma ação ágil e automatizada para entender as vulnerabilidades em todo mundo e o impacto nas organizações.

 

O projeto foi liderado por Waldemar Ruggiero Júnior, Diretor Departamental do Bradesco, pelo time de Infraestrutura do banco, muita dedicação da equipe de cyber inteligência e da própria IBM, que aceitou o desafio de tentar fazer o Watson trabalhar conforme a demanda do Bradesco em um modelo inovador.

 

O case de sucesso foi vencedor na categoria Bronze durante a premiação do Security Leaders em 2019 e a Security Report conversou com o Waldemar Ruggiero Júnior para entender todo o processo e desenvolvimento por trás dessa iniciativa.

 

Security Report: O case de sucesso do Banco Bradesco ficou entre os dez finalistas para ganhar o prêmio durante o Security Leaders 2019. O que motivou esse projeto? Quais eram as demandas internas que dependiam desse atendimento?

 

Waldemar Ruggiero Júnior: O projeto nasceu com a necessidade de resolver o problema de velocidade na identificação das diversas ameaças que ocorrem no âmbito mundial, sendo através de boletins, sites técnicos, de notícias, entre outros.

 

Esse trabalho era executado de forma manual e consumia a equipe de cyber inteligência. O resultado era cruzado de forma manual em nossa base de ativos para identificar potenciais ambientes que poderiam sofrer a ameaça e era realizada interação com o time do SOC para criar gatilhos de prevenção no ambiente de forma processual.

 

Security Report: Ou seja, precisava automatizar todo esse processo. Que tipo de metodologia era necessária para avaliar os riscos associados às ameaças cibernéticas?

 

Waldemar Ruggiero Júnior: O time de Cyber Inteligência já executava e avaliava há mais de 2 anos esse processo de entender a ameaça baseada em sua criticidade na publicação de CVE (Common Vulnerabilities and Exposures) – padrão mundial de classificação de vulnerabilidades e exploração. Com isso, poderia identificar os ambientes que possuíam um potencial risco para essa ameaça.

 

Security Report: E quais foram os principais desafios encarados nesse projeto?

Waldemar Ruggiero Júnior: Trabalhar no Watson com a IBM em uma característica que a tecnologia cognitiva não estava totalmente pronta para atender devido à complexidade de aplicar esse recurso em cyber. Além da curadoria desta mesma tecnologia. Entretanto, esses foram pontos cruciais para torná-la acurada nas identificações, além do trabalho do time interno com a adaptação.

 

Security Report: Com esse trabalho em equipe, o projeto trouxe diversos benefícios, certo?

 

Waldemar Ruggiero Júnior: Nesta primeira fase do projeto, os benefícios foram identificar de forma automatizada e muito mais ágil o que ocorre de vulnerabilidades no mundo,  trazer ao painel de monitoração quais são essa vulnerabilidades, classificadas com base nos seus respectivos CVE. Ou seja, trazer a agilidade na tomada de decisão para acionamento dos times técnicos.

 

Security Report: As lições aprendidas são inspiradoras para os demais times do Bradesco?

 

Waldemar Ruggiero Júnior: Durante o processo foram realizadas diversas reuniões com os times envolvidos e compartilhada a ideia, que mesmo não sabendo se seria totalmente viável, todos aceitaram o desafio – o time acreditou, entendendo que ideias disruptivas nascem de persistência, empenho e ousadia. Esse case é um exemplo que utilizamos como motivador para outras ideias inovadoras que os times podem trazer em suas atividades.

 

Security Report: Quais são os próximos passos?

 

Waldemar Ruggiero Júnior: Neste momento, temos o desafio de construir, de forma automatizada, um painel de risco por ambiente de negócio, cruzando ameaças globais x ativos internos e separados por canal de negócio. Assim, conseguirmos ter uma Big Picture de potencial risco e também buscando trabalhar com os resultados obtidos deste mapeamento de ameaças, uma forma de compartilhar o resultado através da plataforma compartilhamento de ameaças estabelecida pela Febraban, contribuindo com o setor com parcerias para atuação preventiva e pró ativa.

 

As inscrições para o Prêmio Case do Ano do Security Leaders estão abertas e vão até o dia 01 de junho.

 



Newsletter

Alex Amorim
Rangel Rodrigues
Rangel Rodrigues
Graça Sermoud

/ VEJA TAMBÉM



/ COMENTÁRIOS