Como proteger um enorme fluxo de dados?

Com cada vez mais dispositivos e pessoas conectadas, a tecnologias devem ser capazes de monitorar e agir rapidamente em caso de ameaças

Por: Redação, ⌚ 18/08/2016 às 15h32 - Atualizado em 06/09/2016 às 15h36

Manter dados e dispositivos seguros é algo que preocupa as organizações e especialmente os profissionais de TI diariamente. Com tanta informação armazenada em aparatos tecnológicos, muitos se perguntam quão seguro estamos e, quando lidamos com um fluxo de dados muito maior do que o padrão, a atenção deve ser redobrada. De acordo com o Gartner, em 2015 foram gastos com Segurança da Informação valores que ultrapassam a marca de US$ 75,4 bilhões, um aumento de 4,7% em relação a 2014.

Em projetos pontuais, mas de grandes dimensões, como eventos esportivos, todo cuidado é pouco. Com um grande número de dispositivos conectados, milhares de informações fluindo e grande atenção do público, as chances de alguém tentar tirar proveito da situação para forjar ou roubar dados são enormes. Tanto que uma previsão feita pelo Gartner indica que em 2018, 8,5% dos novos negócios para a funcionalidade de rede estarão inseridos em um pacote com barreiras de proteção e plataformas de segurança de conteúdo.

Para evitar que qualquer tipo de ataque aconteça nos mais diversos cenários, é preciso envolver vários tipos de profissionais capazes de analisar com agilidade e agir corretamente. Caso haja uma violação de segurança, a equipe deve tomar decisões em segundos pois, caso algo saia errado, não haverá uma segunda chance.

Em situações como essa, o tempo operacional do projeto pode ser curto, mas as implicações de segurança são enormes, o que significa que os requisitos para a gestão da segurança da informação serão muito específicos. “A tecnologia utilizada deve ser capaz de processar dados em escala massiva e se integrar com as várias plataformas utilizadas dentro da organização de um evento, por exemplo. Com uma solução escalável, é possível otimizar a tecnologia para as necessidades próprias de cada projeto”, explica Leandro Turbino, diretor de Vendas da Micro Focus.

Para gerenciar tamanha complexidade, o executivo contou um pouco sobre a atuação da companhia durante os Jogos Olímpicos da Juventude de 2010, no qual a solução foi responsável por agregar informações de 3.000 sistemas e dispositivos, monitorar servidores, estações de trabalho, dispositivos de rede e aparelhos, correlacionar dados e suprimir potenciais ameaças à segurança.

De acordo com Turbino, a solução monitorava toda a infraestrutura de TI, permitindo que a equipe de operações dos jogos atuasse rapidamente na resolução de problemas de segurança. Sistemas centrais foram implantados em plataformas heterogêneas, e os sistemas de monitoramento de segurança tiveram que ser integrados com todos eles, permitindo o rastreamento em tempo real de todas as alterações de configuração anômalas que não coincidia com os padrões criados de TI.

Ou seja, para alcançar o êxito, seja qual for o tipo de evento, esportivo, cultural ou corporativo, é primordial que as soluções utilizadas tenham a capacidade de analisar todas as possíveis violações de segurança e reportar corretamente seu nível de risco para que a ação tomada seja correta e certeira. Para isso, já existem ferramentas poderosas capazes de agregar dados de uma enorme variedade de sistemas de TI, incluindo sistemas operacionais múltiplos, dispositivos de rede, dispositivos de segurança, aplicativos de negócios e a própria solução de segurança.

/ VEJA TAMBÉM



/ COMENTÁRIOS