Senhas do celular de CFO da Huawei foram compartilhadas com polícia por engano

A agência de segurança de fronteira do Canadá admitiu ter cometido um erro ao compartilhar senhas do telefone da vice-presidente financeira da Huawei, Meng Wanzhou, com a polícia federal do Canadá, segundo documento apresentado a um tribunal da Colúmbia Britânica.

Por: Redação, ⌚ 03/10/2019 às 15h46 - Atualizado em 02/10/2019 às 15h47

Meng, 47, foi presa num aeroporto de Vancouver em dezembro, a pedido dos Estados Unidos, sob acusação de fraude bancária e de enganar o banco HSBC sobre negócios da Huawei no Irã. Ela afirma que é inocente e está lutando contra extradição.

Um e-mail enviado ao Supremo Tribunal da Colúmbia Britânica na terça-feira diz que “as senhas foram fornecidas por engano e não puderam ser divulgadas como evidência nem usadas para acessar qualquer dispositivo de Meng”.

Os advogados de Meng estão exigindo e-mails, anotações e outros registros para apoiar seu caso de que os direitos de Meng foram violados antes da prisão. Eles encerraram seus argumentos na semana passada, dizendo que a polícia canadense havia planejado originalmente embarcar no voo de Meng e prendê-la depois que aterrissassem em Vancouver.

Eles observaram que o mandado pedia a prisão imediata. Mas o plano mudou após uma reunião entre oficiais da fronteira e policiais, embora as razões para a mudança não fossem claras e, teriam resultado na violação de direitos de Meng.

Se as autoridades canadenses abusaram de autoridade, dizem seus advogados, o processo de extradição deve ser interrompido.

O processo de extradição deve começar em janeiro. Especialistas dizem que a disputa legal pode durar anos.

 

Fonte: Agência Reuters



Newsletter

Rangel Rodrigues
Rangel Rodrigues
Rangel Rodrigues
Alex Amorim

/ VEJA TAMBÉM



/ COMENTÁRIOS