Operação de ciberespionagem SneakyPastes atinge 240 vítimas em 39 países

Lançada pelo Gaza Cybergang, esta operação utiliza técnicas simples, mas efetivas, e foram identificadas vítimas em mais de 39 países relacionados com o Oriente Médio

Por: Redação, ⌚ 12/04/2019 às 16h54 - Atualizado em 12/04/2019 às 16h56

Em 2018, o Gaza Cybergang, que compreende vários grupos com diferentes níveis de sofisticação, lançou uma operação de ciberespionagem dirigida a indivíduos e organizações políticas no Oriente Médio. Chamada de SneakyPastes, ela fez uso de endereços de e-mail descartáveis para espalhar a infecção via mensagens de phishing, em seguida o malware é baixado passando por diversos estágios, que utilizam diferentes sites gratuitos.

 

Esta abordagem eficaz e de custo baixo, permitiu ao grupo atingir cerca de 240 vítimas importantes em 39 países, incluindo entidades políticas, diplomáticas, veículos de imprensa, ONGs, entre outras. A descoberta da Kaspersky Lab foi compartilhada com as autoridades responsáveis e resultou na remoção de uma parte significativa da infraestrutura de ataque.
O Gaza Cybergang é uma ciberameaça de língua árabe, politicamente motivado, formada por grupos especializados e interrelacionados que atacam alvos principalmente no Oriente Médio e Norte da África, com um interesse especial nos territórios palestinos. A Kaspersky Lab identificou pelo menos três deles, que apresentam motivações e objetivos semelhantes – a ciberespionagem voltada ao Oriente Médio e com interesse político – mas apresentam diferentes ferramentas, técnicas e níveis de sofisticação. São estes elementos em comum que permitiram a correlação entre eles.
Entre os envolvidos, estão alguns dos grupos mais avançados, como a Operation Parliament  e Desert Falcons, conhecidos desde 2018 e 2015, respectivamente, e um com papel crucial, mas menos complexo, conhecido como MoleRats e ativo desde pelo menos 2012. Na primavera de 2018, este último grupo lançou a operação SneakyPastes.

O SneakyPastes começou com ataques de phishing com temas políticos, disseminados por endereços de e-mail e domínios descartáveis. O objetivo dos links maliciosos ou dos arquivos anexados era iniciar a infecção no dispositivo vítima.

Para evitar a detecção e ocultar a localização do servidor comando e controle (C&C), outro malware era baixado no dispositivo da vítima, usando sucessivas etapas e sites gratuitos como Pastebin e Github. Os diferentes implantes maliciosos utilizavam PowerShell, VBS, JS e .NET para tentar garantir sua permanência nos sistemas infectados. O estágio final da infecção é um trojan de acesso remoto que, ao contatar com seu servidor de comando e controle, irá reunir, compactar, criptografar e roubar uma grande quantidade de documentos e planilhas. O nome SneakyPastes é derivado do uso intenso de “sites de colar” por parte dos invasores para entregar o RAT gradualmente nos sistemas de vítimas.

Os especialistas da Kaspersky Lab trabalharam com a polícia para descobrir o ciclo completo de ataque e invasão da operação SneakyPastes. Esse esforço resultou não apenas em um entendimento detalhado das ferramentas, técnicas e metas, também foi possível realizar a remoção de uma parte significativa da infraestrutura usada.

 

A operação SneakyPastes foi a mais ativa entre abril e meados de novembro de 2018, concentrando-se em uma pequena lista de alvos que compreendiam entidades diplomáticas e governamentais, ONGs e veículos de comunicação.

 



Newsletter

/ VEJA TAMBÉM



/ COMENTÁRIOS