LGPD coloca o Brasil entre os países mais avançados em questões de privacidade

Para especialistas, Autoridade Nacional de Proteção de Dados tem o papel primordial de educar os stakeholders

Por: Redação, ⌚ 03/12/2018 às 10h22 - Atualizado em 03/12/2018 às 10h22

O diagnóstico sobre a forma como se coleta, processa, monitora e compartilha dados é o primeiro passo para definir a melhor estratégia para se adaptar à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que entra em vigor a partir de fevereiro de 2020. Para Flavia Mitri, diretora de privacidade do Uber, o Brasil já regulamenta temas referentes à privacidade, porém a nova lei coloca o país entre os mais avançados neste cenário.

A executiva, que participou de um evento sobre Proteção de Dados na semana passada, destacou a importância da transparência, da adoção de uma linguagem de fácil entendimento e de investimentos em equipes de prevenção de incidentes. Ela mencionou o vazamento de informações que a empresa sofreu e como se reestruturou para que os usuários tenham cada vez mais controle sobre os dados compartilhados nos sistemas do Uber.

Já o consultor Marcel Leonardi, do Pinheiro Neto Advogados, ressaltou o papel da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, que tem o papel primordial de educar os stakeholders. “É uma função de extrema importância que está no limbo. O setor privado deverá manter pressão pela criação do órgão, pois sem autoridade a lei não funciona”.

Caio César Carvalho Lima, sócio da Ópice Blum, explicou que mesmo as empresas que não tenham relação direta com o consumidor final deverão se adequar à LGPD, pois também lidam com pessoas e seus dados. O advogado ressaltou a necessidade de as organizações contarem com um encarregado pelo tratamento de dados pessoais – profissional que tenha domínio jurídico e técnico. “Hoje, o vazamento de dados é muito grande. Precisamos ter um olhar claro sobre isto”, disse Lima.

Na palestra ‘Como usar Inteligência Artificial, tratar dados das redes sociais e traçar estratégias de marketing atendendo a nova legislação’, Luiz Claudio Macedo, da Allgoo, destaca que “o consumidor prefere uma comunicação mais interativa com o anunciante. É válido trazer para a dinâmica do marketing engajado esse consumidor e tratar a fronteira do que é certo e errado.  O cliente também evolui e seu perfil pode mudar. Isso faz parte do modelo de disrupção que podemos adotar nos dias de hoje”.

Fábio Lacerda Carneiro, chefe-adjunto no Banco Central do Brasil, afirmou que a estrutura de gerenciamento de riscos deve identificar, mensurar, avaliar, monitorar, reportar, controlar e mitigar os riscos. “É essencial envolver sempre a alta administração da instituição. É um trabalho intensivo que passa pela cultura e educação cibernética”.
Reforçou também que a perda pode ser muito maior do que a multa de R$ 50 milhões, pois se não souber gerir adequadamente o risco cibernético e assegurar a proteção de dados, a empresa quebra.

Segundo André Fernandes, gerente de Engenharia de Soluções na NICE, é importante que as empresas estejam preparadas antes do prazo para que possam implementar a melhor solução e certificá-la. “É necessária a utilização de soluções tecnológicas que sejam capazes de trabalhar com os dados de forma customizada para que os prazos da LGPD sejam cumpridos”, complementa.

 



Newsletter

Abian Laginestra
Rangel Rodrigues
Rangel Rodrigues
Rangel Rodrigues

/ VEJA TAMBÉM



/ COMENTÁRIOS