Dia do Gamer: Más práticas colocam jogadores em risco cibernético

Usuários que usam aplicativos de origem duvidosa para "crackear" equipamentos, às vezes, enfrentam ameaças para as quais não foram preparados

Por: Redação, ⌚ 29/08/2018 às 11h35 - Atualizado em 29/08/2018 às 11h35

Os jogadores enfrentam riscos diferentes online. Por um lado, para computadores e dispositivos móveis, existe um mercado crescente de roubo e venda de credenciais de acesso. Por outro lado, existem os maus hábitos dos jogadores que muitas vezes recorrem a táticas duvidosas para baixar aplicativos ou liberar seus dispositivos das configurações de fábrica.

De acordo com especialistas da Kaspersky Lab, equipamentos de informática e dispositivos móveis representam os maiores riscos para os fãs de jogos online. Isso ocorre porque os jogadores geralmente baixam jogos e aplicativos de sites duvidosos que podem instalar keyloggers e spywares pelo roubo de login, contas e produtos digitais.

 

Da mesma forma, a falta de uso de senhas seguras para acessar jogos e lojas online também os coloca em risco, pois os últimos tendem a ser alvos de criminosos cibernéticos para obter informações que podem obter e o valor que eles têm quando revendem contas com grande número de jogos ou aplicativos no mercado negro.

De acordo com um estudo da empresa, o jogo se tornou parte do cotidiano de muitas pessoas, já que quase um em cada três (26%) usa regularmente um smartphone para jogar online. No entanto, embora os dispositivos não sejam intrinsecamente seguros, quase 19% das pessoas na América Latina usam redes Wi-Fi públicas para fazer login em contas de jogos e 41% dizem que não tomam precauções extras de segurança ao usar redes públicas – o que agrava ainda mais os ricos.

 

Além disso, usuários que usam aplicativos de origem duvidosa para “crackear” seus equipamentos, às vezes, enfrentam ameaças para as quais não foram preparados. Essas ferramentas normalmente exigem que o acesso de administrador seja executado e a aparência de algum tipo de malware está se tornando mais frequente.

 

Vale lembrar que os usuários que ativam ou liberam seus smartphones e instalam aplicativos de lojas de terceiros também podem ser mais vulneráveis a ataques de malware em dispositivos móveis. Isso aconteceu há alguns anos com o lançamento do Pokémon Go, quando os fãs baixaram aplicativos de lojas não-oficiais para jogar antes da data oficial de lançamento.

 

/ VEJA TAMBÉM



/ COMENTÁRIOS