9 dicas para proteger seu e-commerce de fraudadores internacionais

Com o aumento dos interessados pela facilidade e comodidade na hora das compras, lojistas precisam estar alertas à segurança nas vendas on-line para outros países

Por: Redação, ⌚ 09/01/2019 às 10h40 - Atualizado em 10/01/2019 às 09h33

Os e-commerces que oferecem entregas para destinos internacionais vêm crescendo de maneira significativa em todo o mundo. Diferente do que muitos pensam, ao mesmo tempo em que os brasileiros compram de sites americanos, chineses ou europeus em busca de preços acessíveis, mesmo com a conversão da moeda e taxas de entrega, muitos comércios eletrônicos nacionais também exportam para outros países. Porém, esse movimento de mercado aumenta a preocupação para possíveis fraudes.

 

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), aproximadamente 21,5% das lojas virtuais no País enviaram produtos para o exterior, em 2017. Esse modelo de negócio traz uma nova perspectiva para as empresas e demanda a implantação de novos processos e uma rotina de verificação de dados dos clientes, além de maior atenção e investimento em soluções de segurança.

 

Para Claudio Pasqualin, Diretor do ISG – Grupo de Soluções Inovadoras – da TransUnion Brasil, estar preparado contra fraude tem que gerar uma melhor experiência de compra, além de tornar a rotina de gestão do e-commerce mais eficiente. “Preservar a segurança dos dados é essencial em um negócio que se estabelece na internet. Para que o lojista se proteja de prejuízos por conta de fraudes, ou mesmo para oferecer uma excelente jornada de compra aos bons consumidores, é necessária atenção redobrada aos detalhes de comportamento do usuário e usar a tecnologia a seu favor”.

 

Mesmo que algumas plataformas ofereçam medidas de segurança, a TransUnion, companhia global de soluções de informação, separou nove dicas para que lojistas que fazem vendas internacionais, ou que têm a intenção de expandir seus negócios, possam se proteger ainda mais contra fraudes. Confira:

 

Atenção aos países de risco

 

Alguns países possuem altas taxas de incidência em fraudes on-line, ponto que deve ser analisado antes de concluir o pedido do cliente. Um relatório divulgado pela revista Internet Retailer aponta que na Indonésia, por exemplo, 35% das movimentações on-line são procedimentos falsos.

 

O ranking segue com a Venezuela apresentando índice de 33%, África do Sul com 25%, Brasil com 11% e Romênia com 10%. Vale prestar atenção não só no IP do comprador, mas também na região em que ele está registrado.

 

“Analisar compras uma a uma pode tomar muito tempo das operações de um e-commerce, ou mesmo provocar a ruptura nas vendas, caso o fornecedor demore muito para confirmar a compra. O ideal é que haja um sistema que analisa, de maneira automática, o comportamento do consumidor em questão, permitindo aprovação quando não há sinais de fraude ou sinalização para operações de risco”, comenta Pasqualin.

 

Suspeite de endereços de IP

 

Ainda falando em IPs, alguns compradores podem tentar esconder o país de origem usando um endereço de entrega alternativo. Nesses casos, vale conferir se a localização do IP condiz com o destino do produto, por meio de sistemas de análise e geolocalização, assegurando assim uma proteção a mais contra uma possível fraude.

 

Encomendas em série de um país desconhecido

 

Desconfie se receber, do dia para a noite, uma encomenda grande de um país que nunca comprou na sua loja. Consulte seus índices de compras nos arquivos e estude o mercado em que você e seu negócio estão inseridos. Ter um controle de atuação previne contra fraudes a partir da avaliação de possíveis situações suspeitas.

 

Pedidos especiais

 

Caso seu produto possa ser personalizado, reduza a quantidade de pedido por cliente. Esse tipo de mercadoria é mais suscetível à fraude, uma vez que é fácil detectar defeito e pedir reembolso, causando prejuízo para os comércios eletrônicos.

 

Compras em horários incomuns

 

O modelo de comércio 24/7 é um privilégio do mundo digital. O consumidor tem disponíveis os serviços a um clique, em qualquer horário e local. Porém, compras em horários diferenciados, como no período da madrugada, podem ser um indicativo de fraude.

 

“Os cibercriminosos possuem comportamentos muito específicos e buscam falhas na segurança dos sites. Por isso, verifique os horários usuais em que seus produtos são adquiridos, independentemente do fuso horário do país de origem do cliente”, afirma o executivo.

 

Compras incomuns em larga escala

 

Receber um pedido grande e com características não usuais, de países muito específicos ou regiões geográficas similares, pode ser uma bandeira vermelha. Se o cliente excedeu a média de preço das suas vendas tradicionais em uma única compra, ou solicitou diversos pedidos em um curto período, com entregas para diferentes endereços, desconfie, pode ser fraude.

 

Informações de contato suspeitas

 

Se for informado um e-mail ou número de telefone que parecem falsos, verifique a validade dos mesmos. Letras embaralhadas ou sem sentido formando um endereço, apontam que este, muito provavelmente, foi criado para descarte.

Muitos cibercriminosos costumam mandar entregas para despachantes, transportadoras, caixas postais ou até mesmo terrenos baldios para ajudar a ocultar suas identidades e localizações. Por outro lado, também vale o cuidado para não invalidar a compra de um bom consumidor.

 

“Os incidentes de segurança, se bem administrados, podem melhorar a percepção do cliente sobre determinada empresa. Da mesma forma que o cenário contrário pode ser devastador. Se os clientes perdem a confiança em uma empresa por conta da sua forma de lidar com os dados pessoais e privacidade, é bem provável que haja prejuízo em seus negócios. Por isso, é importante contar com soluções de prevenção à fraude”.

 

Informações inconsistentes

 

Um outro modo de identificar dados fraudulentos é perceber que um mesmo e-mail está sendo usado para nomes de usuários ou números de telefones diferentes. Isso determina inconsistência nos registros do comprador e pode ser considerado uma bandeira vermelha.

 

É praticamente impossível impedir a entrada de um intruso na sua rede em todos os momentos. Mas é totalmente factível identificar esse usuário por meio do seu comportamento e impedi-lo de comprometer os dados sigilosos antes que seja tarde demais.

 

Mobile e-commerce

 

Aplicativos instalados em celulares podem ser uma porta de entrada para cibercriminosos acessarem dados sem permissão. Serviços de geolocalização permitem que revendedores possam verificar se a informação de um cliente coincide ao endereço de IP do dispositivo utilizado para realizar a compra, por exemplo, ajudando na verificação da transação.

 

“O mercado disponibiliza não apenas dicas e medidas protetivas, mas também soluções tecnológicas e de informação para analisar o comportamento dos consumidores e identificar possíveis fraudes. É importante que o lojista entenda que a fraude existe e, como a sociedade está cada dia mais inserida na internet, novas possibilidades de verificação também surgem no mercado, aumentando a segurança nas operações”, completa o executivo.

 



Newsletter

Rangel Rodrigues
Rangel Rodrigues
Abian Laginestra

/ VEJA TAMBÉM



/ COMENTÁRIOS