Brasil é o 2º país que mais perdeu dinheiro com cibercrimes em 2017

Estudo revela que 61% da população adulta conectada, cerca de 62 milhões de brasileiros, foram afetados, totalizando US$ 22 bilhões em perdas; somente a China ficou na frente

Por: Redação, ⌚ 22/01/2018 às 17h00 - Atualizado em 22/01/2018 às 17h24

Os consumidores acreditam estar seguros e protegidos online, porém os hackers têm provado o contrário, roubando US$ 172 bilhões de 978 milhões de consumidores em 20 países no último ano, de acordo com o Norton Cyber Security Insights Report 2017, divulgado pela Norton by Symantec.

 

O Brasil possui números alarmantes: é o segundo país que mais perdeu financeiramente com ataques cibernéticos, atrás apenas da China, e o país em que mais crianças sofrem com bullying, na mesma posição que a Índia. Em 2017, cerca de 62 milhões de brasileiros foram vítimas de cibercrime, o que representa 61% da população adulta conectada do país. As perdas totalizaram US$ 22 bilhões sendo que cada vítima perdeu uma média 34 horas com as consequências dos ataques.

 

De um modo geral, as vítimas do cibercrime compartilham um perfil semelhante: são entusiastas de tecnologia que se cercam de dispositivos mobile tanto em casa como fora dela, mas têm um ponto cego quando se trata de princípios de segurança cibernética. Este grupo tende a usar a mesma senha em várias contas ou compartilhá-la com outras pessoas. Entre as vítimas de crimes cibernéticos, 84% foram afetadas nos últimos 12 meses. Os Millennials são as vítimas mais frequentes, sendo que 26% deles não possuem nenhum método de proteção em pelo menos um dispositivo e eles são mais propensos a compartilhar a senha.

 

“As ações dos consumidores revelaram perigosa desconexão: apesar de um fluxo constante de falhas cibernéticas relatadas pela mídia, muitas pessoas parecem se sentir invencíveis e ignorar a tomada de precauções básicas para se proteger”, afirma Nelson Barbosa, especialista de segurança Symantec. “Esta interrupção destaca a necessidade de segurança digital do consumidor e a urgência de das pessoas voltarem ao básico quando se trata de fazer sua parte para prevenir o cibercrime” completa o executivo.

 

Erros básicos com senha

 

Entre os entrevistados brasileiros, 59% compartilha as senhas, 34% escreve a informação em um pedaço de papel e 24% usa a mesma senha para todas as contas. As senhas mais compartilhadas são as dos dispositivos conectados domésticos (38%), seguida de desktops (37%) e laptops (36%).

 

Embora 83% dos entrevistados se preocupa que informações sobre dados bancários sejam roubadas, 18% compartilham a senha online de sua conta bancária com outra pessoa.

 

Vulnerabilidade do consumidor

 

Proteção contra ameaças maliciosas é a maior preocupação sobre segurança online no Brasil, enquanto proteção de identidade e privacidade ocupam o segundo lugar. Para se proteger, a maioria dos consumidores possui algum tipo de segurança, mas 19% não possui nenhum método de proteção em seus dispositivos.

 

O dispositivo móvel é utilizado por 8 em cada 10 entrevistados para compra online, mas 72% acreditam que esta atividade possui um risco moderado. Outro ponto que possui risco moderado de acordo com a pesquisa é o wi-fi público, sendo indicado por 87% das pessoas.

 

Crenças do consumidor

 

Entre os entrevistados, 83% acreditam que o crime cibernético deveria ser considerado um ato criminoso. Entretanto, alguns comportamentos questionáveis são consideráveis aceitáveis, como ler os e-mails de outra pessoa sem consentimento (25%), compartilhar informações falsas nas redes sociais (19%) e se identificar com identidade falsa (22%).

 



Newsletter

Abian Laginestra
Rangel Rodrigues
Rangel Rodrigues
Rangel Rodrigues

/ VEJA TAMBÉM



/ COMENTÁRIOS